Tuesday, March 23, 2010

HISTORIETAS DO MEIO DA SEMANA 122


O CHEIRO DO BAR DA LETINHA

O bar da Letinha era muito concorrido. Além de bebidas destiladas e das cervejas mais procuradas o bar tinha uns pratos muito bons: galinha caipira, buchada de bode, sarrabulho e diversos tipos de peixe entre os quais o cangati. O bar tinha um porém: um cheiro, ou melhor, um fedor insuportável. Em dias de muito calor sentia-se um cheiro de urina misturado com o cheiro de suor dos empregados da estrada e que faziam ponto lá até altas horas. A clientela mais antiga, composta de políticos de alta linhagem e grandes posses e jogadores de carta, estava já reclamando da proprietária dizendo que ela devia tomar providências. As providências que ela, a princípio, imaginou tomar foram proibir a entrada dos operários e uma melhor limpeza do mictório no quintal. Mas aí alguém sugeriu uma solução mais moderna, mais tecnológica. A Letinha seguiu o conselho desse amigo do peito, mesmo. Havia sido instalada na Capital uma companhia que utilizava tecnologia inglesa e importava produtos da China. A companhia vendia cheiros, cheiros naturais o mais possível. Era só testar e decidir que cheiro neutralizaria os do bar. Dito e feito. No dia aprazado para o teste os técnicos fecharam o bar e o banharam sucessivamente com cheiro de brisa do mar, cheiro de flores do campo e com o cheiro do plenário da Câmara. Outros cheiros foram testados, mas a Letinha optou pelo cheiro de flores do campo.

continuação do texto/postagem

1 comment:

F4GN3R CRU2 said...

Ainda bem que isso era apenas no bar... Já imaginou se fosse como mostra a figura? rsrsrs