Sunday, January 30, 2011

HISTORIETAS DE SEGUNDA-FEIRA 208


AVENTURAS DE DANIEL

Daniel chega a churrascaria e toma uma mesa bem proxima a de uma jovem senhora acompanhada de uma garota que parece ser sua filha. Logo a menininha se chega a ele e puxa conversa. Solícito e esperançoso, lançando olhares para a jovem mãe, ele pergunta se a criança quer um refrigerante, etc., etc. A menininha não o larga e, após alguns minutos ele vê que a jovem se prepara para sair. Ele, desconsolado, ouve ela dizer para a criança:

- Vem minha filha e aproveita dá adeus ao titio...

(Obrigado ao Expedito Holanda)

http://acertodecontas.blog.br/cultura/uma-fabula-do-servico-publico-brasileiro/


Leia mais!

Saturday, January 29, 2011

JUBILEU DOS AGRÔNOMOS DE 1960 DA UFC


A turma de 1960 da Escola de Agronomia do Ceará comemorou seu jubileu no último dia 13 de janeiro. Nem todos os componentes estavam presentes, mas espera-se que, na próxima comemoração a presença seja bem maior. Para matéria publicada hoje (29/1) no jornal O Povo veja o link.


Leia mais!

Wednesday, January 26, 2011

GRANJA - A HORA DO LANCHE




Leia mais!

Tuesday, January 25, 2011

AFORISMOS, APOTEGMAS, MÁXIMAS

Ecce homo

Poncio Pilatos


Leia mais!

Sunday, January 23, 2011

HISTORIETAS DE SEGUNDA-FEIRA 207


ELLA ANUNCIA O ENTERRO

Há dias o Zé procura nos classificados dos jornais o convite para o enterro ou já para a missa de sétimo dia do amigo Renato. Ainda não encontrou. Ele pergunta para aquele outro que conhece o assunto se sabe de alguma coisa. Joãozinho lhe responde que Ella lhe havia dito há pouco que houve um erro de cálculo, mas era certo que o Renato estava a caminho e que o anúncio do passamento iria aparecer nos jornais logo, logo.

Foto: Um anúncio forte para a organização sem fins lucrativos Beitech, de Israel, que trata mulheres com distúrbios alimentares, como a anorexia. (A criação é da agência Mccann Erickson, Tel Aviv, Israel).

Leia mais!

Wednesday, January 19, 2011

OFICINA DE PINTURA NO INSTITUTO JOSÉ XAVIER

Como já mostrado neste blog o Instituto José Xavier de Granja, em atividade patrocinada pelo Programa BNB de Cultura e BNDES, promoveu uma Oficina de Pintura ministrada pelo artista plástico J. Silva entre os dias 10 e 14 de janeiro. Você pode ver abaixo um vídeo mostrando parte dessas atividades. O vídeo é de autoria de Lira Dutra e pode ser visto em seu blog que traz texto adequado. Poderá vê-lo também no site do IJX.



texto chamadacontinuação do texto/postagem
Leia mais!

GRANJA - ARQUITETURA TÍPICA


texto chamadacontinuação do texto/postagem
Leia mais!

Tuesday, January 18, 2011

AFORISMOS, APOTEGMAS, MÁXIMAS


Quatro patas bom, duas patas ruim.

George Orwell (1903 – 1950)



Leia mais!

Monday, January 17, 2011

CEARÁ = SIARÁ


N0 dia de hoje, 17 de janeiro, em 1799, a Capitania do Siará tornou-se autônoma. Leia na edição de hoje do jornal O Povo artigo escrito pelo Prof. Francisco José Pinheiro, Secretário de Cultura do Estado do Ceará, sobre a emancipação do Siará da capitania de Pernambuco.

texto chamada
continuação do texto/postagem
Leia mais!

Sunday, January 16, 2011

HISTORIETAS DE SEGUNDA-FEIRA 206

TELETELA

Quando entrou no bar a Teletela emudeceu. Carlito ficou apavorado, mas seu amigo procurou tranquilizá-lo e falou baixinho:

- Você não pode deixar de duplipensar. Eles podem ser bons, mas certamente são ruins. Você precisa participar de um debate qualificado para ser recuperado.

Carlito olhou para o antigo amigo e disse:

- Eu sei que sou uma impessoa e é só uma questão de tempo para eu ser vaporizado.

texto chamadacontinuação do texto/postagem
Leia mais!

Wednesday, January 12, 2011

GRANJA - CHICOTES E BALADEIRAS NA BODEGA DO HAROLDO SARDINHA




Leia mais!

JUBILEU DE OURO DOS AGRÔNOMOS DE 1960

Os Engenheiros Agrônomos da Turma Professor Dias da Rocha, formados em 1960, estarão comemorando amanhã (13 de janeiro) os cinquenta anos de sua formtura. A programação constará da afixação de uma placa, plantio de uma árvore seguidos de uma pequena peça oratória por parte do Professor Raimundo de Pontes Nunes. Estas atividades ocorrerão no Campus do Pici, na antiga Escola de Agronomia. Em seguida haverá um almoço de confraternização.

texto chamadacontinuação do texto/postagem
Leia mais!

Tuesday, January 11, 2011

AFORISMOS, APOTEGMAS, MÁXIMAS

A vida é breve, a velhice é longa.

Carlos Drummond de Andrade (1902 - 1987)



Leia mais!

Monday, January 10, 2011

O ARTISTA JSILVA MINISTRA OFICINA DE PINTURA NO IJX



O artista JSilva deu início hoje às 8:00 Oficina de Pintura patrocinada pelo Programa BBN de Cultura e apoio do BNDES. A Oficina se estenderá até a próxima sexta-feira quando serão apresentados os trabalhos dos participantes em exposição na sede da instituição (Rua Pessoa Anta, 564, Granja, Ceará).



A imagem é de uma quadro do artista.
Leia mais!

HISTORIETAS DE SEGUNDA-FEIRA 205


OS GALOS DO HERALDO


A bodega do Heraldo no Mercado Público atraía muita gente. Ele não vendia merenda, mas tinha um enorme sortimento de bugigangas e também vendia rações para animais. O Heraldo era tipo assim, um filósofo popular. Ele sabe, como todo mundo, que os galos para quem ele vendia rações especiais cantam e logo o dia amanhece. Mas ele tinha uma crença que, jurava ainda poria a prova. O Heraldo dizia que se a gente matasse todos os galos do mundo nunca mais o dia amanheceria. A provar...


texto chamadacontinuação do texto/postagem
Leia mais!

Thursday, January 06, 2011

"A OUTRA PONTA DO FIO": MAIS UM LIVRO DE HILDA GOUVEIA DE OLIVEIRA


A escritora Hilda Gouveia acaba de lançar o romance "A outra ponta do fio" a décima primeira obra de sua autoria. O lançamento aconteceu na Livraria Argumento no Leblon, Rio de Janeiro ontem (5/1). Nossos parabéns à renomada escritora granjense pelo lançamento de mais essa obra.


Leia mais!

Wednesday, January 05, 2011

GRANJA - O LEITEIRO



Leia mais!

Tuesday, January 04, 2011

AFORISMOS, APOTEGMAS, MÁXIMAS


“Guerra é Paz. Liberdade é Escravidão. Ignorância é Força”

George Orwell (
1903 – 1950)




Leia mais!

Sunday, January 02, 2011

HISTORIETAS DE SEGUNDA-FEIRA 204

IDÉIAS DE VIRA-LATAS

Quando chegou de Oceania Carlito vinha imbuído daqueles conceitos vira-latas... Com toda certeza ele não seria capaz de duplipensar. Não sei mesmo como o Chefão o nomeou para o Miniamo. Pra fazer o que? Por outro lado poderia ser a preparação para sua vaporização. Vamos esperar para ver.




Leia mais!

Saturday, January 01, 2011

CONTOS NOVOS DA RIBEIRA


O DESAPARECIMENTO DE TROFIM VASEC

O que se passava na Europa era motivo de muita preocupação para Trofim Vasec e sua família. O velho eslavo, depois de ter ficado rico, e ter tido um filho com a herdeira do coronel mais importante da cidade fincou raízes na Ribeira. No entanto, ele sentia saudades da agitação sempre reinante no Velho Continente, onde imperadores e príncipes e presidentes e déspotas em geral eram instalados e depostos do poder com uma frequência que só se via nesta nossa província. Ele resolveu fazer uma viagem à Europa para visitar paises que não conhecia e rever outros onde havia passado parte de sua mocidade errante. (...)

O eslavo aconselhou-se com o seu amigo e consogro Coronel Totonho, homem bem vivido e acostumado a essas viagens. Após muitas conversas e consultas a almanaques e mapas ele preparou um roteiro que incluía paises como a Moldavia, Molvânia, Bulgária, Eslovênia, Rússia e, certamente a Alemanha, França e Itália. Trofim tinha tomado ojeriza pela Inglaterra: não apreciava a pompa ostentada pela família real e por isso havia riscado uma visita a Londres que muito satisfaria seu filho Juca, um apreciador do jeito esnobe de viver dos ingleses. De qualquer maneira Juca acompanharia seus pais e certamente ao lado de sua jovem esposa.

O filho de Trofim era muito namorador, além de gostar de jogar baralho e também de cavalos. Ele possuía um belo exemplar da raça árabe que mantinha no haras de seu amigo Alfredinho, sempre presente nas rodas sociais da capital. Este era sócio no haras de um dos filhos do professor Heraldo Santos famoso por suas diatribes contra o Comendador e seu governo. Até diziam que o Capitão Castro, Subcomandante da Polícia da capital, tinha-o obrigado engolir um jornal onde publicara artigo contra seu chefe e contra ele. Ninguém conseguiu jamais provar o fato, isto é, que o professor Santos havia comido o jornal.

Os dois jovens amigos faziam um bom par, pois gostando de jogar pôquer e de corridas de cavalos eram muito apreciados na sociedade e por isso estavam sempre em evidência nos jornais. Viviam de festas e eram mesmo muito namoradores. Meninas bem jovens os adoravam. Eles as levavam ao haras para passeios a cavalo e as ensinavam a andar de bicicleta, uma nova moda na cidade. Todos iam às festas e partidas no Clube Iracema e brincavam os carnavais sempre em um mesmo grupo.

Alguns meses antes de Trofim ter feito seus planos para uma verdadeira viagem sentimental correu o boato na cidade implicando o jovem Juca em um namoro escandaloso com uma mocinha da sociedade. Ela chamava-se Edilse e era a única filha do temido Capitão Castro um homem altamente atrabiliário. Todos sabiam que, apesar de ser um jovem advogado, Juca era um rabo-de-burro, vivendo sempre a procura de um rabo-de-saia.

Quando Juca começou a aparecer em público com a filha do Capitão Castro, na Praça da Lagoinha, este logo descobriu a marmota e chamou o moço às falas. Após algumas reprimendas e vendo que os dois não se desgrudavam o militar concordou, em termos, com o namoro. Se ele tivesse demorado mais uns dois meses teria tido motivos bem evidentes do passo em falso dado por sua filha, pois, logo, logo a menina apareceu com uma barriguinha que crescia a cada dia. Posta em confissão ela admitiu estar grávida de alguns meses e o pai era mesmo o gostosão Juca Vasec, agora seu namorado por consentimento do pai brabo.

O capitão mandou de imediato fazer os preparativos para o casamento, pois seria impensável que uma filha sua, Capitão Castro, pudesse ter um filho sem ser casada.
Apesar da fama de durão o Capitão tinha de se curvar a certas exigências da vida e como era um homem sem muitos recursos vivia de “achaques” aos homens importantes da capital. Um destes era o próprio Coronel que só não lhe cobrava o que já lhe emprestara devido ao pavor que o Capitão lhe incutia dado o conhecimento de suas ligações com a Casa Bordani, respeitada por seus negócios de importação e exportação.

O casamento realizou-se na Igreja da Praia Grande que servia a mais alta sociedade da capital. O celebrante foi um padre italiano recém chegado e que seria famoso daí a alguns anos por seu envolvimento em histórias muito mal contadas. Mas, até ai nada de mais. Foram tantos os convidados que a igreja ficou superlotada. Eram convidados de honra o Comendador Presidente da Província e todos os seus secretários; membros do alto comércio e das finanças e representantes de potências estrangeiras. Havia alguns convidados amigos da Ribeira. A recepção foi na chácara do Coronel Salgueiro, de longa data sócio do Coronel Totonho que era quem bancava toda a festança.

O jovem casal, pelo fato de Juca ser neto desse coronel passou a gozar de muito prestígio e ser convidado para tudo que era de festa na cidade e, principalmente em Palácio, dada a velha amizade entre o Comendador e seu avô. Isso até a jovem esposa ter sua barriga bem aumentada e ficar evidente que não poderia viajar para a Europa com uma criança recém nascida. O jeito que se deu foi adiar a viagem por alguns meses até que a criança estivesse com o pescoço duro. O bom dessa história do neto de Trofim é que ele nasceu em Palácio, pois o Comendador exigiu que a filha do Capitão Castro, nora do eslavo e ainda por cima esposa do neto de seu amigo Coronel Totonho, tivesse as melhores condições para um parto perfeito. Isto só poderia suceder se a criança nascesse em Palácio. O que é certo é que o menino nasceu como devia: um rapaz forte e bonito. Ele tinha traços eslavos, mas lembrava muito sua ascendência portuguesa e nativa. Daí a alguns meses estava pronto para viajar com sua família para a Europa.

A viagem foi marcada para o mês de abril e todos os preparativos foram feitos para que tudo desse certo. Nosso Trofim alugou um andar inteiro no “Hotel de la Paix”, no Boulevard Saint Étienne, em Paris, onde a comitiva manteria seu ponto de apoio para as viagens pelo continente. Um dos problemas sérios que tiveram de ser resolvidos prendeu-se ao fato que Edilse, a jovem mãe, não era uma boa produtora de leite e em conseqüência do que seu filho era alimentado por amas e muitas vezes com leite de cabras. Agravando a situação e pela premência de tempo não foi possível levar uma ama de leite na viagem. Nem Rosa nem Mundinha, tradicionais amas de leite da Ribeira, que bem poderiam sanar esse problema, estavam em período de amamentação, pois seus novos partos só se dariam daí a três ou quatro meses. Após muita discussão, Trofim e sua esposa, aconselhados por seus consogros, resolveram levar na viagem uma cabra recém parida com a finalidade exclusiva de prover leite para seu neto. A cabra, um animal forte, de boa raça, foi comprada ao Zé Manoel da Redonda e trazida para a capital. Os filhos do dono tinham posto um nome na cabra que foi logo adotado pela família de Trofim: “Bonita”. Ela ficou em Palácio para ir se acostumando com a programação de ordenha que era feita pelo próprio Trofim, homem acostumado a esse mister, pois vinha das lonjuras da Europa pastoril e era mestre nessa arte em sua fazenda no Tanque do Meio. Ele talvez estivesse querendo lembrar de seus tempos de errante pelas lonjuras da Molvânia, Bulgária e Eslovênia antes de visitar novamente esses países.

Chegado o dia do embarque toda a família Vasec, acompanhada por amigos da Ribeira e da Capital, estavam na hora aprazada, na Ponte metálica. A travessia até o navio, o “Maranhão”, foi feita sem nenhum incidente e todos ficaram alojados em três camarotes da primeira classe. “Bonita” foi alojada em uma baia especial no porão provida de suficiente ração para a produção do precioso liquido que iria alimentar o neto de Trofim por toda a viagem. Pela programação da “Compagnie de Bateaux du Brésil” a viagem até o Havre demoraria cerca de 30 dias e, se o tempo fosse bom a família chegaria a Paris no início do verão.

Tudo se passava como planejado, sem surpresas e todos da comitiva estavam alegres e satisfeitos. O neto de Trofim estava bem, pelo menos no que diz respeito ao aproveitamento do leite que a cabra embarcada produzia. O velho eslavo havia estabelecido uma rotina de todos os dias, lá pelas cinco horas da manhã, descer até o porão onde ficava a baia exclusiva para ordenhar a cabra que nunca reclamava, mas já dava sinais de exaustão de sua produção láctea. Trofim preocupava-se com a possibilidade de o animal deixar de produzir e assim prejudicar a alimentação de seu neto. Ele imaginou que se desse à cabra alguma alegria, ou melhor, alguma coisa que ele próprio achasse que seria alegre para ela, o animal continuaria a dar seu precioso leite até o navio chegar ao Havre. Foi assim que ele e a cabra passaram a circular pelo convés do “Maranhão” todos os dias depois da ordenha que se processava, como dito, às cinco horas da manhã. “Bonita” ia amarrada a uma correia de couro presa ao pulso de Trofim, pois certamente ela não poderia andar sozinha sobre o convés.

Esses passeios tornaram-se comuns e todos os passageiros cumprimentavam o velho eslavo e sua dedicação ao animal e, logicamente, ao seu neto. Todos sabiam que “Bonita” havia sido embarcada com a missão única e exclusiva de produzir leite para a criança. A cabra já estava acostumada com os caminhos que tinha de seguir entre as cadeiras de descanso para os passageiros e os cordames que lhes dificultavam a passagem. Tudo corria bem até que certa manhã o animal assustou-se, aparentemente, com a passagem de um enorme vapor que apitou no exato instante em que cruzava com o “Maranhão” já perto do congestionado porto francês. A cabra, lembrando seus ancestrais, deu um pinote e soltando-se da mão de Trofim continua com seu balé de saltos por entre os passageiros já a essa hora tomando banho de sol no convés. O velho eslavo correu-lhe atrás, mas o jovem animal não podia ser alcançado de maneira alguma. Em determinado momento “Bonita” encarou a balaustrada do navio e, pensando talvez estivesse em frente a um muro lá na fazenda de seu antigo patrão pulou para o mar gelado. Trofim não teve dúvidas pulou atrás do animal. Esta foi a última vez que passageiros e tripulantes que presenciavam a cena viram os dois.



Leia mais!